terça-feira, 26 de agosto de 2008

Sempre pela última vez

Há o que só digo pra você.
Há o que só faço pra você,
sempre pela última vez.

Sempre pela última vez,
imagino com receio
sentir seu cheiro
e em seus olhos vejo
a grandeza de um coração alado,
alado como os bons sonhos,
como os intensos desejos
que livra os pensamentos enfermos
e mantém nosso sentimento inteiro,
sempre pela última vez.

Jenny Faulstich
(01/07/2005)

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Sem resposta

Minha presença te incomoda.
Para não me ver,
você não vê a hora.

Eu queria apenas uma resposta.
Mas quem se importa?!
Quem se importa?!
Quem se importa?!

Faço minhas suas palavras de outrora
Mal sinal,
sem resposta.

Jenny Faulstich
(18/12/2004)

Paixão ausente

Paixão ausente...
ilusão real,
inconseqüente.

Paixão ausente...
martírio letal
para meu coração carente.

Paixão ausente...
não mereço igual,
nem diferente.

Jenny Faulstich
(2007)

Paixão anêmica

Um sonho a mais,
sonho de menos...
Tanto faz,
voltarei a dormir,
pois é o que me resta.
Dormir mal, mas dormir,
e guardar pra mim
todo desejo evitado
pelo silêncio,
pela ausência
dessa paixão anêmica.

Jenny Faulstich
(2007)

Ouvindo meus pensamentos

Ouvindo meus pensamentos
fico só e acompanhada
ao mesmo tempo.

Jenny Faulstich
(23/08/2008)

Estrada

Gosto da estrada,
me dá a falsa sensação
de que posso fugir da realidade.
Gosto da estrada,
me faz ir além de onde posso ir.
Vou...
mas volto.

Jenny Faulstich
(23/08/2008)

sábado, 23 de agosto de 2008

Além felicidade

As palavras a serem faladas, somem
e só me resta a emoção.
O sentimento que me invade
é além felicidade.

Jenny Faulstich
(17/08/2008)

Que passem depressa

Tento fugir do meu mundo para não sofrer,
quero fugir do meu tempo para não chorar,
mas nada que eu queira vai acalentar
essas ilusões que estão a me atormentar
e que passem depressa e não tornem a voltar.

Jenny Faulstich
(30/07/2008)

Maiores medos

Tenho medo...
da dor,
física e a de partir desse mundo sem me despedir...
de ser esquecida em pouco tempo
e não fazer falta...
de não saberem a verdade sobre mim...
de não ter sido amada,
não ter sido desejada,
não ter sido amada e desejada ao mesmo tempo...
de deixar alguma mágoa
(por favor, quem a tenha, não a mantenha)...
de que minhas lágrimas tenham sido em vão...
e principalmente,
medo de ir sem ter deixado
sementes de paz, alegria e amor...

Jenny Faulstich
(23/07/2008)

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Coração de Pedra VIII (Eclipse)

Às vezes vem um frio do coração.
Lágrimas guardadas brotam sem intenção.
Eclipse de sentimentos de luzes e sombras
alimentam a alma e tornam amargo o coração.
Mas se choro é porque existo,
mas se amo é porque vivo...
Coração de pedra também faz festa.
Coração de pedra sempre se supera.

Jenny Faulstich
(18/08/2008)

Para um coração amigo

Escutar, compreender, poder sentir...
Consolar, interceder, fazer sorrir...
Demonstrar carinho sincero
trocar abraço fraterno,
certeza que tens um coração amigo.
Esta mensagem te ofereço
e saibas que tudo de bom te desejo,
pois tu és para mim um amigo verdadeiro.

Jenny Faulstich
(05/08/2002)
*Para todos os meus amigos VERDADEIROS e especialmente ao querido amigo Renato Lima (Zen).
*Publicada na coletânea de poesias "Oitava Rima", lançada em 19 de Dezembro de 2002, pelo Grupo Cultural Oito Deitado, Resende/RJ.

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Para meu doce amigo

Eu te amo, doce amigo.
Por você persisto
em ser tudo o que precisar,
o incentivo pra seguir,
o ombro pra chorar,
a alegria pra sorrir.
Ser e compartilhar
preocupação, felicidade,
amor, fraternidade.
Eu te amo, doce amigo,
sem pestanejar!

Jenny Faulstich
*Ao querido amigo Leonardo Ribeiro (meu Léu).
(18/08/2008)

Sonhei

Sonhei que um anjo veio me ver.
Sonhei com você.

Jenny Faulstich
(18/08/2008)

sábado, 9 de agosto de 2008

Imaginação

Minha imaginação precisa
da sua calma, sua cama, sua voz.

Minha imaginação precisa de você,
para haver de ser além das barreiras da ilusão.

Minha imaginação não precisa de nada
pois já se ilude por imaginar haver quem não há.

Jenny Faulstich
(08.08.2008)

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Êxito

Não deixe de tentar,
não deixe de seguir,
a coragem está
na busca pelo conseguir.

Acredite, confie,
queira o bem,
queira bem,
e terá êxito
em qualquer que seja sua decisão,
em qualquer que seja seu caminho.

Jenny Faulstich
(04/08/2008)

Cerimonial

Por que tão formal,
se a sinceridade está
em ser natural.

Jenny Faulstich
(06/08/2008)

Intensa e imperfeita

Intensa, imperfeita, inacabada,
insegura, deprimida...
Só tenho certeza da morte
que há de vir um dia
e me levará, inacabada...

Inacabada, mas intensa de tudo
que faz meu sangue correr nas veias,
e entre acertos e besteiras,
na esperança do luto
(que eu o mereça),
que eu não seja tão... imperfeita...

Jenny Faulstich
(29/01/2008 )

domingo, 3 de agosto de 2008

Não ditas

Palavras não ditas,
são na mente repetidas.

Jenny Faulstich

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Conquista

A vitória vem ao amanhecer...
Adeus tempestade!!!
A se tornar brisa de amor e paz
e que nela eu consiga
a alegria que grita
buscando o infinito,
degrau a degrau,
passo a passo,
nota a nota,
num olhar,
naquele olhar,
abraçando a vida
ao sabor da conquista.

Jenny Faulstich
(27/07/2008)

Maracatu

De repente, vi surgir como se de um livro de fábulas,
o som da energia, harmonia e paz
que me tranquiliza, anima e incentiva
a tocar o amor adiante, de mão em mão
numa mesma dança, num mesmo passo,
como se surgisse de um livro de fábulas.

Jenny Faulstich
(27/07/2008)

Repertório da noite

Repertório de sentimentos
aleatórios como o vento.

Ouve tudo que se pensa
(pensa tudo que se ouve).

Ouve tudo que se sente
(sente tudo que se ouve).

Viagem sem percurso
para o passado, presente e futuro,
acompanhados ou sozinhos no mundo
o que importa agora é o sonho mais profundo.

Sonhe comigo
Cante comigo
e viva os pensamentos
que vêm
com as músicas que rolam na noite
vão e voltam
e nos fazem
melancólicos encantados,
contentes loucos apaixonados.

Jenny Faulstich
(13/11/2004)